Rensoftware, Sebrae e Aciara se unem para oferecer plataforma de vendas online aos micros e pequenos negócios

 

O Compra Logo já está disponível para os consumidores via desktop e app. Pelo menos 15 empresas já estão cadastradas

A ordem para todos os lojistas do país neste período de restrições na abertura do comércio e isolamento social é uma só: venda online. Mas apenas uma pequena parte das micros e pequenas empresas, principalmente do varejo, possuem estrutura para isso.

E como a necessidade de vender é urgente para garantir a sobrevivência do negócio no mercado e a estruturação de um site pode levar meses para ser concluída, a empresa de software empresariais de Araguaína, Rensoftware, uniu-se ao SEBRAE Tocantins, por meio do projeto Araguaína Tem Web, e à Associação Comercial e Industrial de Araguaína – ACIARA para apresentar uma solução aos lojistas: o Compra Logo, uma plataforma pronta para vendas online.

Renye Costa, diretor geral da Rensoftware, explica que o projeto, que é de abrangência nacional, já fazia parte do planejamento da empresa, mas precisou ser acelerado diante da atual demanda. O Compra Logo funcionará tanto em computadores quanto em aplicativo para smartphones (Android e iOS).

“É um site de e-commerce pronto. A empresa interessada só precisa se cadastrar para receber um login e senha próprios e começar a alimentar o seu espaço com imagens dos produtos, preços e ofertas. E, é claro, divulgar para os clientes o novo espaço de vendas”, conta Renye.

Pagamento online

Um dos grandes diferenciais do Compra Logo, que vai ao encontro das regras contra aglomerações, é a possibilidade de pagamento online, por meio do PagSeguro. Mas, se preferir, o cliente pode optar por pagar no ato do recebimento da compra, cuja entrega fica sob a responsabilidade da empresa vendedora.

Incentivo

Em um primeiro momento, a plataforma reunirá empresas de Araguaína. Pelo menos 15 já estão cadastradas e com os produtos à disposição para venda. Mas o Compra Logo tem estrutura para atender todo o Brasil.

“O acesso para o consumidor é totalmente gratuito e democrático, visto que a maioria das pessoas dispõe de um smartphone para baixar o aplicativo. As empresas interessadas em fazer parte terão 60 dias de gratuidade e após isso será cobrada uma taxa de hospedagem. Importante ressaltar que o Compra Logo foi construído para atender varejo e prestação de serviços”, completa Renye.

Outra característica vantajosa da plataforma é a integração com qualquer tipo de software de gestão que a empresa cadastrada tenha, ou seja, a alimentação dos produtos no site (app) para exposição ao cliente é automática.

Unidos pelas empresas

A plataforma será o meio de operacionalização do projeto Araguaína Tem Web, encabeçado pelo SEBRAE Tocantins para as principais cidades comerciais do Estado. Em Palmas, o projeto já está em funcionamento.

“Essa é a hora das empresas despertarem para a necessidade de se estruturar no comércio eletrônico. E sabendo que a maioria dos negócios não têm condições de agilizar um site de vendas um pouco tempo, buscamos parceiros para viabilizar esse espaço e assegurar que as vendas não parem. A Rensoftware e a ACIARA se encaixaram perfeitamente nessa premissa”, informa Joaquim Quinta Neto, gerente regional do SEBRAE Tocantins em Araguaína.

Assim como o SEBRAE, a ACIARA também abraçou o projeto e se comprometeu a levá-lo ao conhecimento dos mais de 400 associados.

“A plataforma buscar ser um marketing place local, visando auxiliar as empresas de todos os segmentos de atividades de Araguaína para promover suas vendas pela internet. Essa parceria com o Sebrae e a Rensoftware é muito importante, porque esse projeto tem um custo operacional reduzido e subsidiado pelo Sebrae. É a oportunidade para as empresas terem o maior contato com seus clientes, nesse período em que a comercialização presencial está proibida em grande parte do comercio de Araguaína. É uma parceria que vem auxiliar as empresas nesse momento de isolamento”, comenta Hélida Dantas, presidente da ACIARA.

Pouca representatividade

Conforme um levantamento feito pela eBit/Nielsen e pelo Bradesco BBI, entre outros bancos, entre 4% e 6% das vendas do varejo brasileiro acontecem por meio do comércio eletrônico. E, segundo a Cielo, nos primeiros sete dias do mês de março, a atividade do varejo despencou 52,3% no país.

Fonte dos dados: Portal G1

 



Deixe uma resposta